quarta-feira, 1 de maio de 2013








                                                               BRASIL


                             UM PAÍS AGONIZANTE

              CONTINUANDO nossa conversa a respeito da violência no nosso sofrido país, não podemos dizer que somos o pior país do mundo. Porém não faz diferença quem é o país que é mais violento. Se um país não tem histórico de ser violento, que diferença faz se ele aparecer com um crime igual ao que aconteceu no grande abc, sp? O fato é que não podemos ser iguais aos macacos e nos limitar a olhar para o rabo dos outros, e sim, temos que lavar as panelas sujas que estão em nossas pias.
            Que punição (pena) você acha que deve receber um menor que cometeu um crime dessa imensidão? E se fosse um adulto, que tipo de pena ele deveria receber? Se fosse um adulto que tivesse causado a morte da dentista do ABC-SP teria uma carbonização menor? Pois é o que o menor fez, não muda o fato, ela simplesmente foi carbonizada por esse marginal, simplesmente por que ela não tinha uma quantia maior que 30 reais.
                   Já ouvi muitos DEFENSORES  das leis que aí, estão dizerem que o problema não está nas leis, e sim, no cumprimento das mesmas. Ou seja, se um criminoso, cometeu um delito e foi condenado a 30 anos de reclusão ( preso atras das grades), que se cumpra essa data, e que só saia de lá após trinta anos. Se a justiça condena alguém a 10 anos que se cumpra os dez anos. Dizem eles, não ser assim. Realmente isso não deixa de ser verdade, nas nossas leis, sempre há vagas para que se diminuam as penas dos bandidos e criminosos. Contudo, estou cada dia mais convicto que, com as barbáries que estão sendo praticadas, criar leis para fazer cumpri apenas as que já existem... é pouco... muito pouco! Diminuir a idade para 16 anos para que o infrator cumpra as leis de adulto, é menos ainda. Não se pode acreditar que se fizer um assassino de 16 anos de idade cumprir uma pena de 30 anos de cadeia, mude também barbaridade do crime. Que talvez ajude, talvez ajude! Porém eu, eu... eu não acredito. Você acredita?
                 Lembram do código de trânsito que dava margem para que a pessoa tivesse direito há alguma porcentagem de álcool no sangue para ter direito a dirigir? Qual foi o resultado? Morte e mais mortes de maneiras bruscas e até assassinas. O aumento de pessoas irresponsáveis ceifando vidas de crianças, grávidas, idosos, etc, só aumentaram... muitos deles saindo livres da delegacia, pagando apenas fianças. E isto é muito idêntico a apenas diminuir a idade de 18 para 16 anos. Depois de muita morte causada pelo excesso de bebida, então resolveram mudar para tolerância zero.
               Na questão da violência, existe ainda um tal de direito humano, que só existe para defender bandidos e criminosos do tipo que assassinou a dentista. Qual é mesmo o direito da vítima? Vê os parentes chorando nossa morte! Vê? pois é, nem esse direito o morto tem!
                  Existindo a Pena de morte, eu quero ver se aparecerá alguma brecha para aliviar a pena do condenado, depois da pena aplicada! E se for batido o martelo na prisão perpétua, quero ver aparecer brecha pra passar uns aninho no colo da mamãe!
                      Fico aqui com pesar e desejando que os familiares dos que perderam seus parente de forma desumana, tenha esperança, não só de ver seus mortos sendo vingados pela justiça, como vejam também as leis mudarem. Quem sabe assim, seja possível, que esses que pensam em se transformarem em assassinos e bandidos, pensem no mínimo duas vezes antes de cometerem ATROCIDADES.
                        Se o Brasil, deixará de AGONIZAR ou não só o tempo vai dizer... Porém alguma coisa tem que ser feito, para tentar minimizar a onda de violência que nos cercam. Pois quem sabe se será a próxima vítima? E é bom que os deputados não pensem que eles estão imune às ações desses marginais.
                         Veja o vídeo:
                          
   

                       


                 

Publicação em destaque

A DISTÂNCIA E A SAUDADE

CRONICA                      ADISTÂNCIA E A SAUDADE     A vida começa na concepção do amor. São muitas brincadeiras, risos e palha...