sexta-feira, 28 de agosto de 2015

VIOLÊNCIA... FATOR SEM LIMITES

CRONICAS



          
   
                 
     
                                                                   VIOLÊNCIA... FATOR SEM LIMITES




                      Viver, palavra de grande significado em todos os sentidos possíveis, desde a poesia, passando pelas letras de músicas a brincar no parque ou no quintal de casa com as crianças. Viver é uma palavra tão forte que com ela se ganha milhões em propagandas e mídias; Conquista-se até inimigos! Viver é sinônimo de liberdade, de paz, de felicidade, de carinho, de prazer... Como se diz pelos quatros cantos do mundo, viver é tudo de bom.
                    Porém, um inimigo parece vencer esta palavra, este fator, esta essência de direito de cada um. A violência parece que vive em guerra com a vida, e invariavelmente a vida perde a batalha para violência. Todas as crônicas que escrevo tal qual imã, pende para o tema adverso de viver. A violência é o ponto final de toda história... Até que se encontre a morte. É doloroso não ter razão para prosseguir um sonho, não importa qual seja este sonho. Pode ser o sonho de se formar em médico, engenheiro, advogado, mecânico, professor, etc. Todos, sem exceção, podem ser abortados pela violência. Famílias são desfragmentadas e choram seus pesares. A ironia é que a violência é causada pela própria família... Sim, não a família dos outros apenas, mas a nossa própria família que incorpora a palavra "outro", ou seja, quando pensávamos que só aconteceria com os "outros" nós somos esses "outros".
                  Como pode, se nós mesmos sabemos que a violência é causada por nós, ou pode ser por nós, e não encontramos meios de combatê-la? Se a sociedade está a mercê da violência e nós somos a sociedade... Qual é a saída para que a palavra "viver" não seja apenas mais uma nas infinitas palavras do nosso dicionário? A violência é um mal tão grande que estar arraigada dentro do lar, dentro das empresas, dentro dos encontros de diversões, dentro das igrejas (todas). Imagine, o planeta terra está envolto de oxigênio e este mesmo oxigênio seja a violência... isto significa que tal qual oxigênio a violência está em todo lugar. Está impregnado na pele, no pulmão, nas narinas, nas roupas, em cada canto da parede, dentro da lata de tinta e o pior de todo - infelizmente - dentro do coração.
                    Sim, é claro que a violência abrange muito mais do que isso e até muito menos do que isso. Cada um tem seu próprio ponto de vista. Os estudiosos podem dizer que o caminho que está sendo levado o tema por mim, é fora de propósito. E que não se deve pensar de tal maneira, porque se formos pensar assim, não conseguimos ver solução para o tema. Está dando a impressão que o mundo está fadado ao fim, onde todos se matarão na mais cruel da verdade. Ou seja, para acabarmos com a violência, basta darmos um tiro na cabeça... - Pensará os estudiosos assim? O que você pensa sobre o tema? Às vezes eu chego, se os estudioso pensarem assim, vou terminar concordando com eles.
                   Vejam, eu não concordo que o fim da violência seria a autodestruição, mesmo porque isto também é um ato de violência, o suicídio se não for por motivo de doença, é para os fracos. Contudo, aqueles que fazem o uso da violência para destruir vida alheia seriam muito mais positivos que ele usasse de tal para se destruir e deixar viver quem quiser viver. Não é possível que os exemplos que vemos pelo mundo a fora e dentro de nosso próprio país, não sirva para melhorar ou mudar nossa forma de pensar. Pensar que o mundo é muito melhor quando vivemos de bem com a vida, quando vivemos amando e sendo amado, quando pescamos e voltamos apenas com um resfriado, ou com uma leve dor de cabeça por causa do sol quente... Temos milhares de exemplos maravilhosos que é viver sem violência.
                   Infelizmente não podemos viver de maneira que tenhamos total prazer de paz e amor. Não podemos descuidar de nossos filhos em os deixarmos brincando longe de nossos olhos por medo de que alguém os faça mal. Isto também serve para os filhos adultos, que mesmo sabendo se defender, não estão livres da maldade de outro adulto. A violência está arraigada dentro do coração dos humanos. Todos os humanos parecem que dormem com ela por baixo dos lençóis ou cobertores. A violência está lá, escondida, esperando o momento certo de atacar a mente do mal feitor. Quando isso ocorre, eu pago, você paga... A sociedade paga. Não podemos negar ou fechar os olhos, se a violência é um vírus que dorme no ser humano, temos que ter a percepção que algo o acorda e que sem sombra de dúvida, além da tendência pecaminosa o uso de qualquer tipo de droga é o som do badalo do sino que desperta para o mal. Estamos vivendo um momento de violência tão intenso que os criminosos já não o cometem escondidos. Chegam armados e na presença de quem quer que seja fazem o mal. Matam, estupram, furtam, sequestram, roubam, ateiam fogo em crianças, velhos e adultos. Depende muito do que o insano tem em mente. E nós do lado de cá, pagamos por crimes que não cometemos, perdemos nossas próprias vidas ou a perdemos a vida dos amigos e ou familiares.
                    Depois de tudo dito e colocado, resta-nos perguntar o que devemos fazer? Como fugir da violência se ela está dentro de nosso próprio lar? Se vivemos n em um mundo que não podemos confiar em ninguém? Eu sinceramente não tenho a resposta para tais perguntas, e é bem possível que também não tenhas. No entanto, a única coisa que me vem à mente é o amor. Se mesmo com a tendência pecaminosa que cada um ser carrega consigo, é importante saber que consigo também carrega dentro coração esse sentimento chamado amor, que com certeza é muito maior que o fator violência. Ter a consciência de que somos capazes de amar o próximo como nós mesmos já somos suficientes para vivermos um mundo melhor. Porque o amor nos afasta de qualquer tipo de droga que venha descodificar o cérebro. O amor é a única arma capaz de vencer a violência.

28/08/2015

Publicação em destaque

A DISTÂNCIA E A SAUDADE

CRONICA                      ADISTÂNCIA E A SAUDADE     A vida começa na concepção do amor. São muitas brincadeiras, risos e palha...