quinta-feira, 14 de novembro de 2013

O CASO DO MENINO "JOAQUIM"

CRÔNICAS


                              
                                                                                    
                                             "O MENINO JOAQUIM"
                (o caso do menino Joaquim)


                           Podíamos está neste momento contando um lindo conto, de um menino de três anos, igual tantos outros, teria uma infância feliz e, cheias de aventuras, traquinasse, peraltices... Correndo de um lado para outro, cheio de saúde e felicidade! Aprontando com os irmãozinhos e os coleguinhas do pré ou da creche... Contando para sua mãe como foi o dia na escola, o que sua prô (assim é o termo carinhoso que os peraltinhas tratam seus primeiros professores) falou, do que brincaram o que cantaram o que seus amiguinhos fizeram etc. Não, não, "JOAQUIM", não vai fazer parte desse conto..., o julgaram 'culpado'!
                           Infelizmente, não vamos está contando um lindo conto desse menino, não que esse garoto não seja real. Ele existiu... sim existiu... O país inteiro está de luto, por causa da violência que mais uma vez assombra nosso querido Brasil. E infelizmente nosso pequeno  "JOAQUIM, já não se encontra fisicamente em nosso meio. Ele foi abortado da vida brutalmente, sim abortado porque seus pais... (mãe e padrasto), são os supostos causadores do aborto da vida dessa criança. "JOAQUIM" só teve direito a viver por três curtos anos, os acusados o condenou a morte, de forma cruel. Eu e você devemos está se perguntando, qual foi o crime que uma criança de 3 anos cometeu para ser assassinado e jogado no poluente rio? qual? Pois é, os acusado encontraram um motivo para abreviar a vida de uma criança de três anos!
                                A polícia não tem a confirmação de quem é realmente o culpado por tal arbitrariedade dolosa cometida a esse menino. Mas desde já deixo claro que não importa quem fez essa atrocidade, quando o culpado for provado, que pague por um crime tão hediondo quanto esse. Não se pode deixar impune os monstros que tratam de maneira covarde um ser que não tem o mínimo poder de defesa... 3 anos, é a idade... Como uma criança pode se defender? Não vamos ficar aqui, perguntando o que se passa na cabeça dos monstros covardes, pois nunca haverá resposta, muito menos satisfatória ou que justifique o assassinado de um inocente.
                             A pergunta que a sociedade, deve fazer e encontrar a resposta são: "Qual a pena que se deve aplicar aos monstros desse naipe"?  - Afinal, quem é a sociedade? Eu respondo! As sociedades, especificamente nesses casos, são pela ordem: Eu, você, nós, eles sim, eles os políticos, que tem por obrigação mudar as leis obsoletas que regem nossa nação, nem que essas leis punam os próprios políticos, pois eles não são imunes às leis não. Eu sou sociedade, você é a sociedade, se os políticos só fazem algo quando vir o povo ir às ruas para protestar ou pedir algo, já que os políticos são cegos ou se fazem de burros, então a população tem que protestar por algo que mude o país para melhor...
                             "Joaquim" não foi o único, nem o primeiro e com certeza não será o último a ser abortado da vida, pagando por algo que nunca, jamais cometeu! Ele pode até não ser o último, mas pode ser o início de uma virada na sociedade, onde os nossos representantes possam se mover para criar leis que punam severamente qualquer monstro dessa natureza, que a punição, no mínimo venha a inibir, esses cruéis assassinos, sejam eles loucos ou não, pais ou não, políticos ou não, padres ou não, pastores ou não, traficantes ou não... Não importa o que sejam, mas que as leis tentem impedir que a mente nefasta de uns cometam essas barbaridades. Sabe-se que a vida de "JOAQUIM" E NEM DOS OUTROS MENINOS QUE FORAM ABORTADOS, voltarão. Nada vai amenizar a dor desses tipos de assassinato. Mas, repito, tem que haver um basta...
                                   Sei que leis severas, não resolverá a criminalidade por um todo, de lugar nenhum, pois a mente humana parece programada para praticar o mau. O que não é verdade! Cabe o coração de a sociedade ter consciência que esse tipo de dolo tem que ser eliminado de nossas vidas, e que todos os JOAQUINS, possam ter seus contos contados pelos verdadeiros pais que os amam, pelos amigos, pelos avós. Que os JOAQUINS, cheguem a casa e abram os braços e digam...: papai, mamãe eu te amo!!!

Gostou dessa crônica? Copie, compartilhe, ajude na divulgação do blogger http://400anosolivro.blogspot.com.br/

Publicação em destaque

A DISTÂNCIA E A SAUDADE

CRONICA                      ADISTÂNCIA E A SAUDADE     A vida começa na concepção do amor. São muitas brincadeiras, risos e palha...